fbpx
Agende sua consulta: (17) 3232-1544 | 99153-9837

Molécula que “evitava fome” no passado seria a responsável por obesidade

Molécula que “evitava fome” no passado seria a responsável por obesidade

Tipo de proteína existente no organismo age sob o efeito de estresse e impede a perda de peso, afirma estudo

Um truque molecular que impediu nossos ancestrais de passarem fome agora pode estar contribuindo para os altos índices de obesidade entre a população, segundo um novo estudo. No Brasil, 54% das pessoas estão acima do peso — 19% são obesos, de acordo com o Ministério da Saúde.

Em tempos de escassez de alimentos, os animais eram mais propensos a sobreviver se pudessem acumular e aumentar sua energia armazenada. Por isso, a evolução favoreceu o armazenamento do excesso de “combustível” como gordura. Isso porque a função natural da proteína RAGE, situada na superfície das células adiposas, é parar a quebra da gordura armazenada quando estamos estressados.

Logo, a molécula pode bloquear a queima de gordura necessária quando estamos com muita fome, frio, medo, machucados ou, ironicamente, quando comemos demais: “Descobrimos um mecanismo anti-inanição que se tornou uma maldição em tempos de abundância, pois interpreta o estresse celular criado por comer em excesso como semelhante ao estresse criado pela fome e põe freios em nossa capacidade de queimar gordura”, disse a líder da pesquisa, Ann Marie Schmidt, em comunicado.

Experimentos realizados em outros tecidos humanos mostram que o RAGE é ativado pelos produtos finais de glicação (AGEs), que se formam quando o açúcar no sangue se combina com proteínas ou gorduras — mais frequentemente em pessoas que estão envelhecendo, diabéticas e obesas. Outras moléculas também ativam a substância, como aquelas liberadas com a morte celular.

Em um teste realizado em roedores, os especialistas descobriram que a remoção do RAGE das células de gordura fazia com que ratos ganhassem até 75% menos peso durante 3 meses de alimentação rica em gordura —, apesar de estarem consumindo a mesma quantidade de alimentos que os animais do grupo de controle. Além disso, o transplante de tecido adiposo sem RAGE para camundongos normais também diminuiu o ganho de peso, já que eles foram alimentados com uma dieta rica em gordura.

Fonte: Revista Galileu

Fechar Menu
WhatsApp chat